24 fevereiro 2011

Sunadokei

Mais um dos doramas... dessa vez um j-drama... e nada menos queeee.. Sunadokei! Fiquei bem contente em conseguir esse filme, porque o mangá é um dos meu prediletos. Confesso que o traço de Hinako Ashihara não é lá dos mais bonitos, mas com certeza sua narrativa e desenvolvimento de personagens está anos luz de muita obra por ai que esteticamente é perfeita.
O mangá chegou em terras brasileiras em 2008 se não me engano, publicado bimestralmente pela editora Panini, totalizou 10 volumes. Uma das minhas coleções mais queridas, confesso. A história tem como personagem principal Ann, que após o divórcio de seus pais, passa a morar com a mãe em Shimane, na casa de seus avós maternos (anteriormente moravam em Tokyo). Lá, conhece Daigo, e logo ficam juntos. Fugi e Shiika, irmãos pertencentes a uma família tradicional da cidadezinha, também aparecem e contribuem para que a história seja repleta de vínculos de amizades. A mãe de Ann, deprimida e sentindo-se fracassada, comete suicídio, deixando Ann aos cuidados dos avós. E dai por diante acontece um rio de coisas... Ann volta a morar em Tokyo com o pai, há o relacionamento a distância com Daigo, Fuji e Shiika passam a ter papéis mais importantes na história e assim por diante.
O estilo da narrativa enriquece imensamente esse roteiro aparentemente simples.. Ann inicia a história com 12 anos e termina a narrativa com 20 e alguma coisa... é mostrado o desenvolvimento de cada um dos personagens, suas reviravoltas e como as decisões da vida adulta foram influenciadas pela infância e adolecencia mostrada. É bastante interessante e justamente por tratar de um conjunto de rotinas, vários altos e baixos, e pequenas decisões que compõem a vida de alguém, é complicadíssimo resumir isso em um filme de 2h..
Porém.. os diretores foram bastante habilidosos em compor Sunadokei -o filme... é claro, comparações são inevitáveis... é realmente uma pena que alguns personagens não tiveram espaço para mostrar sua essência.. e também, parece-me que no filme o suicídio da mãe de Ann foi muito mais "explorado" que no mangá... tornando a produção definitivamente mais dramática.... também penso que Ann na versão filme, especialmente quando adulta, foi retratada mais ambígua e ausente da própria vida.. parece que ela sempre está a um passo de um desfiladeiro interno... sem dúvida, a versão filme passa muito mais seu sofrimento mental do que a versão mangá... no final das contas, Sunadokei - o filme é quase um estudo de caso sobre luto e processo depressivo....
Credo.. falando assim, devem pensar.. "por que então é uma das minhas séries preferidas?" ... hauhauahua eu particularmente não gosto de drama... mas na versão mangá, o drama concentrado mostrado no filme estava mais diluído, mais intercalado com os altos da vida, e não preso só nos baixos.. rs... então gosto dessa série por ser bastante realista... Apesar de vários sofrimentos, Ann também teve várias alegrias, e no final do mangá percebe-se que a vida continua, e ela se mostra mais preparada para continuar a vida... a Ann do filme, não tenho tanta certeza... rs...
Mas acho que é assim mesmo, né? Dependendo do foco da produção, temos idéias diferentes dos personagens... se houvesse outro filme enfatizando só o lado bom, talvez pensariamos "nossa como a Ann é insensível, nem pensa na morte da mãe" hauhauahua De qualquer forma, ainda fico com a versão mais equilibrada da vida de Ann: a do mangá. (embora o filme tenha sido realmente muito bom).
Trailer do filme, AQUI.


Nenhum comentário:

Postar um comentário