10 outubro 2013

Watashi ga Motenai no wa Dou Kangaetemo Omaera ga Warui (Anime)

Em um post anterior comentei que estava terminando de assistir a esse anime... e que eu estava me sentindo profundamente penalizada pela protagonista Tomoko Kuroki....
....bem, terminei e.... o sentimento não mudou. hauhauhau
Eu não gostei do anime, mas ele é um  bom anime. Tem uma temática interessante e desperta coisas não só nos adolescentes como nos adultos.. ele nos trás a memória coisas que gostaríamos de esquecer.. (na real, é isso). É um anime repleto de cenas constrangedoras, que nos provoca um mal estar aliado a uma simpatia e sentimento de pesar. Talvez mexa com o melhor e o pior do que é ser jovem.... um jovem desajustado tentando se ajustar.... e como isso pode ser ridículo e doloroso ao mesmo tempo..... huahauahuhua Eu acho que o sentimento que envolve o anime é exatamente esse... situações absurdamente ridículas mas que causam um sofrimento absurdo.
Essa mocinha desperta a compaixão de qualquer pessoa.... porque não é possível alguém pagar tanto mico assim em tão pouco tempo. São 12 episódios que senti muita vergonha alheia. Coitada dessa menina. Por outro lado, Tomoko realmente é admirável. Por muito menos a maioria das pessoas se trancaria em casa e não sairia mais, mergulhados em uma profunda depressão.. hehe.. mas Tomoko não só sai de casa e enfrenta suas atividades diárias na escola - apesar de sofrer toda aquela fobia social, mas também quer, e tem esperanças que as coisas mudem, quer e trabalha (sim, muitíssimo desajeitadamente) para que as coisas melhorem. 
Tomoko tem severas dificuldades no quesito "habilidades sociais", sendo incapaz de interagir com a maioria das pessoas sem passar por grande desconforto (ansiedade, não consegue falar o que quer, etc). 
Vive suas atividades diárias (escolares) em isolamento e silêncio, canalizando sua energia em atividades mentais, tais como construção de todo tipo de fantasias e idealizações de si, desejando ser popular e rodeada de amigos. Paralelamente, vê com desprezo as colegas de classe que de certa forma conseguem vivenciar as experiências que ela tanto deseja. Se por um lado despreza os colegas, por outro há um sentimento imenso de carência e necessidade de ser aceita. 
Impressiona um pouco a maneira crua, misturada com tragicomédia que reina no anime. Tomoko lutando contra suas correntes e mostrando o que na verdade, quase sempre acontece na vida real nesses casos: muitas situações difíceis, humilhantes e solidão. Também é realista o desenrolar da história: mesmo com muita força de vontade e esforço, de fato, os avanços concretos surgem, mas são quase sempre lentos, gradativos. Tomoko evolui nesses 12 episódios? Sim, mas lentamente. 
Durante o anime, grande parte das situações bizarras em que ela se mete são causadas por ela mesma (por exemplo, mentir que o garoto da biblioteca era seu namorado, sabendo que a chance de reencontrá-lo era alta e, consequentemente, haveria confusão na certa.... ou usar o aspirador de pó para fazer marcas no corpo - momento vergonha alheia hahahahah - quem em sã consciência não percebe que isso vai acabar mal?).
Para piorar, Tomoko é uma jovem adolescente, descobrindo a sexualidade, e essa condição de pânico social que ela desenvolveu, aliado a necessidade de ter pessoas próximas e até a necessidade de ter contato físico, resultou num certo traço de personalidade "pervertido" que.... francamente.... só rindo para não chorar diante de tantas fantasias absurdas................ rs
O que também podemos assinalar nessa confusão toda é o papel dos pais... que no caso são um tanto quanto negligentes a respeito da saúde mental dessa garota. Quem acompanha meus comentários de seriados e animes sabe muito bem que quase sempre eu dou razão aos pais e adultos responsáveis e sou mais dura com os jovens protagonistas, mas dessa vez o puxão de orelha são para os adultos. Poxa! Será que não deu para perceber a personalidade da filha? Será que não acendeu aquela luzinha de alerta que os pais deveriam ter? rs...
Voltando ao anime.... fora essa certa omissão paternal, não temos grandes problemas.. quer dizer.. grandes problemas temos, mas faz parte do tema...
Quem espera um "final feliz" onde Tomoko é rodeada de amigos e perfeitamente ajustada a rotina escolar, esqueça. Talvez a mensagem principal seja, apesar de todos os problemas, continue... no melhor estilo, "pague o mico, solte-o na floresta e continue a viver." hauhauhauhauah
Espero que o mangá (que eu não estou lendo mas parece que está em andamento ainda) evolua no sentido de Tomoko superar certas barreiras que a impedem de ter mais contato social sem, para isso, perder a sua personalidade. Esse negócio de só os extrovertidos são felizes e o ideal é estar sempre rodeado de gente alegre, festas e coisas assim é um modelo que nos enfiam goela a baixo. Introspectivos simplesmente não curtem essas coisas, mas podem sim ter uma vida social bacana.
Espero que Tomoko pare de achar que precisa se tornar uma outra pessoa, com outra personalidade, para poder ser feliz com os outros e consigo. Que ela ache esse equilíbrio, respeite seu próprio jeito de ser mas  que também supere medos e bloqueios para que possa se relacionar melhor com os outros. É preciso apreciar as companhias. A dos outros e a de si. =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário